Fisioterapia: como avaliar e tratar a dor no ombro

Costuma ter dores no ombro? Recorra à fisioterapia, descubra a causa e alivie a dor.

A prevalência de dor no ombro tem aumentado nos últimos anos afetando mais de 20% da população em geral, sobretudo acima dos 50 anos de idade. Embora a maioria das pessoas que sofrem de dor no ombro não procurem ajuda numa fase precoce, este é um dos principais motivos de procura pelos profissionais de reabilitação, mais especificamente os fisioterapeutas.

Apesar de existirem diversas patologias do ombro como “conflito sub-acomial”, “tendinite da coifa dos rotadores”, “bursite” e/ou “instabilidade anterior do ombro”, todos estes diagnósticos estão associados à presença de dor intensa. A dor ocorre devido a um distúrbio mecânico no espaço subacromial (imagem 1 - A), geralmente acompanhada por uma restrição funcional (bloqueio), que impede a elevação do braço e/ou da mão acima ou ao nível da cabeça e que também dificulta a realização de tarefas que exigem torção do ombro. Associado a este bloqueio pode existir uma sensação de instabilidade durante o movimento do braço que traduz a incapacidade de manter a cabeça do úmero no centro da cavidade glenóide (imagem 1 - B), i.e. de manter a congruência articular.

fiisoterapia dor no ombro_texto
[Imagem 1 adaptada de: https://www.dreamstime.com]

Se pensarmos na progressão destas patologias, isto pode tornar-se bastante limitativo no dia a dia dificultando a execução de algumas atividades essenciais como: pentear o cabelo, vestir ou despir uma camisola, tomar banho, fazer a higiene íntima, etc. Pode igualmente prejudicar o desempenho no trabalho, afetando tanto pessoas que trabalham muitas horas ao computador (no manuseamento do rato), que têm um trabalho continuado de escrita, ou que mantêm a postura do braço elevado durante longos períodos; àquelas que transportam pesos de forma repetitiva (mesmo que sejam cargas mais leves), ou que conduzem durante muitas horas. Esta problemática pode também afetar a performance de alguns gestos desportivos como o serviço no vólei ou no ténis, o passe e o remate no andebol, ou mesmo a prática de ginásio em exercícios como a elevação frontal com barra e push ups.

Estas patologias podem ser tão limitantes que se torna importante sensibilizar as pessoas sobre alguns sinais e sintomas que são comuns à maioria das condições dolorosas do ombro.
As pessoas relatam frequentemente que numa fase inicial têm uma “sensação de peso” e/ou “desconforto” na região anterior do ombro (imagem 1 - C) ou na região do trapézio superior (imagem 1 - D), a qual pode progredir para o cotovelo ou para o pescoço nas atividades que exigem um esforço maior. Este sintoma ocorre numa fase inicial do processo inflamatório, que mais tarde se irá traduzir em dor (cada vez mais intensa). Associado a este sintoma surge também a “sensação de fraqueza” quando solicitamos o uso do braço em atividades repetidas de elevação e/ou de torção (tal como foi referido nos exemplos anteriores), pela alteração dos padrões de recrutamento muscular (i.e. alteração da sequência correta de funcionamento dos músculos) e níveis de força entre os músculos que estabilizam o ombro e os que mobilizam o braço. Por fim, um dos principais sinais e talvez o que leva as pessoas a procurarem a nossa ajuda, é a redução das amplitudes do movimento do ombro - quantidade de movimento que a pessoa consegue realizar e do controlo neuromuscular do ombro - qualidade do movimento realizado (forma como realizamos determinada tarefa).

A avaliação e classificação destas patologias deve ser feita por um médico ou fisioterapeuta, visto a complexidade mecânica do ombro depender da dinâmica funcional de 4 articulações: acromioclavicular, esternoclavicular, glenoumeral e escápulo-torácica; e da capacidade dos músculos associados (sobretudo a musculatura da omoplata) fornecer a estabilidade necessária a um movimento preciso. A consciencialização da dor e da limitação funcional por parte das pessoas nem sempre acontece numa fase inicial, tornado-se difícil corrigir o movimento, i.e. primeiro instala-se a disfunção do movimento e só mais tarde surge o sintoma associado - dor.

A fisioterapia assume um papel fundamental não só na avaliação e diagnóstico, como no tratamento e prevenção da dor e da incapacidade associada ao ombro. Na avaliação clínica pode recorrer-se a diversos métodos: o mais importante, a observação clínica - cuja identificação e classificação das alterações do movimento dependem da capacidade de observação e manualidade do fisioterapeuta (ex: testes clínicos). Hoje em dia, já podemos recorrer a métodos de alta tecnologia - cuja precisão e rigor das medições depende essencialmente dos métodos e instrumentos utilizados (ex: sistemas de câmeras/optoelectrónicos, sistemas electromagnéticos, etc.).

Relativamente ao tratamento, a literatura mais recente sugere que os protocolos de reabilitação devem incluir um plano de exercícios direcionados para a correção do movimento omoplata, tendo em conta um processo de (re)aprendizagem motora sequencial (3 fases: cognitiva, associativa e autónoma) e acompanhado, necessário para que haja uma nova integração dos movimentos precisos da omoplata sobre o tórax. O sucesso dos resultados depende não só dos métodos de avaliação disponíveis e determinação de um plano de reabilitação eficaz, como também da identificação precoce dos sinais e sintomas anteriormente mencionados. Neste sentido é muito importante a capacidade de avaliação e diagnóstico do técnico, seja médico ou fisioterapeuta que o acompanha, pois não interessa apenas resolver o processo doloroso, mas também tratar a disfunção do movimento de base para evitar recidivas da mesma lesão.

Referências:
Baskurt, Z., Baskurt, F., Gelecek, N., Özkan, M.H. The effectiveness of scapular stabilization exercise in the patients with subacromial impingement syndrome. J Musculoskelet Rehabil 2011;24(3):173–9.
Fitts, P.M., Posner, M.I., 1967. Human performance. Brooks/Cole Pub. Co.
Karduna, A.R., McClure, P.W., Michener, L.A., Sennett, B. Dynamic measurements of three-dimensional scapular kinematics: a validation study. J Biomech Eng 2001;123:184-190.
Ludewig, P.M., Cook, T.M.. Alterations in Shoulder Kinematics and Associated Muscle Activity in People With Symptoms of Shoulder Impingement. Physical Therapy 2000;80(3):276–291.
Matias, R., Pascoal, A.G.G.. The unstable shoulder in arm elevation: a three-dimensional and electromyographic study in subjects with glenohumeral instability. Clinical biomechanics (Bristol, Avon) 2006;21 Suppl 1.
McClure, P.W., Michener, L.A., Karduna, A.R.. Shoulder function and 3-dimensional scapular kinematics in people with and without shoulder impingement syndrome. Physical therapy 2006;86(8):1075–1090.
Pope, D.P., Croft, P.R., Pritchard, C.M., Silman, A.J. Prevalence of shoulder pain in the community: the influence of case definition. Annals of Rheumatic Diseases 1997;56:308–312.
Struyf, F., Nijs, J., Mollekens, S., Jeurissen, I., Truijen, S., Mottram, S., Meeusen, R. Scapular-focused treatment in patients with shoulder impingement syndrome: a randomized clinical trial. Clin. Rheumatoid 2013;32:73–85.
Tate, A.R., McClure, P., Kareha, S., Irwin, D., Barbe, M.F. A clinical method for identifying scapular dyskinesis, part 2: validity. J. Athl. Train. 2009;44:165–173.
Wright, A.A., Wassinger, C.A., Frank, M., Michener, L.A., Hegedus, E.J. Diagnostic accuracy of scapular physical examination tests for shoulder disorders: a systematic review. Br J Sports Med 2013;47(14):886-92.
Ana Antunes
Fisioterapeuta Holmes Place Parque das Nações

Gostou deste artigo? Deixe-nos o seu comentário.

Partilhe com os seus amigos!

Categoria Tags