Fisioterapia na Prevenção de Quedas nos Idosos

As quedas tornaram-se num dos maiores problemas de saúde pública em idosos. Saiba como a fisioterapia pode ajudar.

Em Portugal, consideram-se pessoas idosas indivíduos com 65 anos ou mais, idade a que está associada a idade da reforma.

Define-se o envelhecimento, não como um estado, mas como um processo de degradação progressiva que afeta todos os seres vivos. O envelhecimento varia de pessoa para pessoa, no qual se regista alterações a vários níveis:

Músculo-esquelético - diminuição da força muscular, sobretudo nos membros inferiores, diminuição da flexibilidade muscular, aparecimento de artroses e alterações posturais;
Cárdio-respiratório – diminuição da tolerância ao esforço;
Neurológico – aparecimento de patologias neurológicas, reflexos mais lentos;
Vestibular – perturbação no equilíbrio e risco de VPPB (Vertigem Paroxistica Postural Benigna);
Visual – diminuição da acuidade visual, da capacidade de perseguição ocular de alvos que se desloquem a velocidades uniformes, incapacidade de adaptação ao escuro;
Propriocetivo – alterações na sensibilidade vibratória, diminuição da sensibilidade da planta do pé, diminuição da capacidade de detetar a mobilização passiva e aumento do tempo de resposta dos músculos;
Cognitivas – alteração da coordenação motora (que obriga a movimentos mais lentos) e de concentração, que se traduzem na dificuldade em realizar simultaneamente duas ou mais tarefas (por exemplo conversar e caminhar).

queda idosos 1

Atualmente, as quedas tornaram-se num dos maiores problemas de saúde pública em idosos. Perante a conjugação de todas estas alterações decorrentes do envelhecimento, a probalilidade da ocorrência de uma queda é praticamente inevitável no idoso.
As quedas são uma das causas predominantes de morbilidade e mortalidade do idoso.

Em 2008, segundo dados do relatório de Acidentes Domésticos e de Lazer – Informação Adequada (ADELIA), refere que 15% dos acidentes em Portugal ocorreram em pessoas com 65 anos ou mais, sendo a população mais afetada do sexo feminino.
A grande maioria dos acidentes ocorrem em casa, sendo o principal mecanismo de lesão a queda. A faixa etária dos 65 – 74 anos apresenta uma percentagem de queda de 87,1%, sendo que acima dos 75 anos verifica-se um valor de 92,3%.

Relativamente às quedas no idoso, temos que ter especial atenção aos diversos fatores que influenciam tais incidentes no indivíduo.

Fatores de risco intrínsecos:

• Historial passado de ocorrência de quedas
• Idade avançada
• Sexo feminino
• Uso de medicamentos
• Alterações na condição clínica
• Distúrbios da marcha e equilíbrio
• Sedentarismo
• Estado psicológico
• Deficiência nutricional
• Declínio cognitivo
• Deficiência visual
• Deficiência auditiva
• Doenças do foro ortopédico
• Estado funcional.

Fatores de risco extrínsecos

• Iluminação inadequada
• Tapetes soltos ou com dobras
• Superfícies escorregadias
• Degraus estreitos ou altos
• Ausência de corrimãos em corredores e casas de banho
• Prateleiras demasiado altas ou demasiado baixas
• Vestuário e sapatos inadequados
• Obstáculos no caminho, como móveis baixos, fios, pequenos objetos.
• Ortóteses inadequadas
• Via pública em mau estado de conservação

Intervenção da Fisioterapia

Antes de se iniciar um programa de prevenção de quedas, o indivíduo terá que realizar uma avaliação por parte do Fisioterapeuta, que inclui a indentificação dos factores extrínsecos de risco de queda, como a descrição e frequência das quedas e “quase-quedas” que possa ter sofrido.

Posteriormente teremos um exame objectivo, que irá permitir identificar os fatores intrínsecos, para os quais será orientada a intervenção.

Os objetivos de intervenção são definidos a curto, médio e longo prazo, desempenhando o indivíduo e respetiva família, um papel ativo. O principal objetivo do programa de prevenção é evitar as quedas e, para que tal aconteça, temos que:

• Desenvolver e aperfeiçoar as estratégias de equilíbrio mais adequadas e eficazes;
• Aumentar os limites de estabilidade e força;
• Reduzir ou, se possível, eliminar o medo de cair;
• Incentivar a atividade e o dia a dia habitual;
• Aperfeiçoar a segurança, autonomia e independência do idoso e, deste modo, melhorar a sua qualidade de vida;
• Aumentar a segurança no lar.

queda idosos 2

Para mais informações, entre em contacto com um dos nossos fisioterapeutas presentes no Homes Place.

Marina Jorge
Fisioterapeuta Holmes Place Dolce Vita Tejo

Gostou deste artigo? Deixe-nos o seu comentário.

Partilhe com os seus amigos!

Categoria Tags