Saúde: Diabetes e Exercício Físico

Se tem diabetes, cuide da sua saúde, pratique exercício físico.

A adoção e manutenção de atividade física são críticos na gestão da glicemia e da saúde geral em indivíduos pré-diabéticos e diabéticos. No entanto, as recomendações e precauções variam de acordo com as características individuais e o estado de saúde.

Conceitos: Atividade física e exercício físico

A definição da atividade física inclui todos os movimentos que resultam num gasto de energia acima do nível de repouso. Já o exercício físico é um tipo de atividade que consiste em movimentos corporais programados, estruturados e sistematicamente repetitivos que têm como objetivo melhorar a preparação física.

O exercício físico melhora o controle da glicemia na diabetes tipo 2, reduz os fatores de risco cardiovascular, contribui para a perda ou controlo de peso e melhora o bem-estar geral. Pode ainda prevenir ou retardar o desenvolvimento de diabetes tipo 2. Também na diabetes tipo 1 (DM1), o exercício regular demonstrou benefícios importantes (por exemplo, melhor cardiofitness, força muscular, sensibilidade à insulina, etc.). Os desafios relacionados com a gestão da glicemia variam com o tipo de diabetes, tipo de atividade e presença de complicações relacionadas com a diabetes. Assim, as recomendações de atividade física e exercício devem ser adaptadas para atender às necessidades específicas de cada indivíduo.

Conceitos: DM1, DM2, diabetes gestacional, pré-diabetes

A DM1 (5% -10% dos casos) resulta da destruição autoimune das células β pancreáticas, produzindo deficiência de insulina. Embora possa ocorrer em qualquer idade, esta destruição de células β observa-se mais frequentemente nos jovens do que nos adultos.

A diabetes tipo 2 (DM2) (90% -95% dos casos) resulta de uma perda progressiva de secreção de insulina, geralmente associada à resistência à insulina.

A diabetes gestacional define-se como um subtipo de intolerância aos hidratos de carbono diagnosticado ou detetada pela primeira vez no decurso da gravidez.

A pré-diabetes é diagnosticada quando os níveis de glicose no sangue estão acima do intervalo normal, mas não são suficientemente altos para serem classificados como diabetes. No entanto, este estado apresenta um risco elevado de adquirir DM2 nos próximos meses e/ou anos. Portanto, a pré-diabetes é uma situação que antecede a diabetes e serve de alerta para evitar a progressão da doença.

A atividade física regular, uma dieta equilibrada e outras mudanças de estilo de vida podem prevenir / atrasar o DM2.

Tipos de exercício

O exercício aeróbio refere-se aos exercícios que mobilizam os grandes grupos musculares, de forma rítmica e durante longos períodos de tempo, como na marcha, corrida, natação ou ciclismo.

O exercício resistido (treino de força) refere-se aos exercícios durante os quais o músculo esquelético produz movimento contra uma força aplicada ou carga externa.
Pode ser realizado em máquinas de resistência, com pesos livres, bandas elásticas, na água, ou com o peso do próprio corpo.

Exercícios de mobilidade melhoram a amplitude de movimento em torno das articulações.

Exercícios de equilíbrio beneficiam a marcha e podem prevenir quedas. Atividades como tai chi e yoga combinam atividades de mobilidade, equilíbrio e resistência.

BENEFÍCIOS DE EXERCÍCIO E ATIVIDADE FÍSICA

Benefícios de exercícios aeróbicos

O exercício aeróbio aumenta a densidade mitocondrial, sensibilidade à insulina, enzimas oxidativas, reatividade dos vasos sanguíneos, função pulmonar, função imunitária e débito cardíaco.

Na DM1, o exercício aeróbio aumenta a aptidão cardiorrespiratória, diminui a resistência à insulina e melhora os níveis lipídicos e a função endotelial. Em indivíduos com DM 2, o treino regular reduz os níveis de A1C, triglicerídeos, pressão arterial e resistência à insulina.

Benefícios do Exercício resistido (treino de força)

A diabetes é um fator de risco independente para a diminuição da força muscular e para o declínio acelerado do estado funcional. O exercício resistido (treino de força) traz ganhos em saúde para todos os adultos associado ao aumento da massa muscular, força, função física, saúde mental, densidade mineral óssea, sensibilidade à insulina, pressão arterial, perfis lipídicos e saúde cardiovascular.

Benefícios de outros tipos de atividade física

Os exercícios de mobilidade e equilíbrio parecem ser da maior importância para adultos mais velhos com diabetes. A mobilidade articular limitada que frequentemente se observa nesta população, resulta em parte da formação de produtos finais de glicosilação avançada, que se acumulam durante o envelhecimento normal e são acelerados pela hiperglicemia.

Os exercícios de alongamento contribuem para o aumento da mobilidade, mas não afetam o controle glicémico. Os exercícios de equilíbrio podem reduzir o risco de quedas mesmo em casos com neuropatia periférica. Aulas de grupo (que incluam treino de resistência e equilíbrio, aulas de tai-chi) podem diminuir o risco de quedas de 28% -29%. Além disso, há evidência emergente que outras modalidades como o yoga podem promover melhorias no controle glicémico, dos níveis lipídicos e da composição corporal em adultos com diabetes tipo 2.

Resumo

As recomendações da Associação Americana de Diabetes (ADA), publicado em 2016, sobre o tipo, intensidade, duração, frequência e progressão de exercício físico encontram-se resumidos na tabela abaixo:

tabela diabetes


Embora todos os indivíduos possam beneficiar da atividade física, as recomendações específicas e precauções variam segundo o tipo de diabetes, idade do indivíduo, nível de atividade e presença de outros fatores de risco. Assim, a prescrição de exercício deve ser realizada de forma personalizada e por um profissional especializado nesta área para que o plano de treino e os exercícios sejam adaptados às necessidades específicas de cada indivíduo.

Pei JH, Kuang J, et al. Effect of lifestyle intervention in patients with type 2 diabetes: a meta-analysis. Metabolism 2015;64:338–347
Lin X, Zhang X, Guo J, et al. Effects of exercise training on cardiorespiratory fitness and biomarkers of cardiometabolic health: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. J Am Heart Assoc 2015;4:4
Schellenberg ES, Dryden DM, Vandermeer B, Ha C, Korownyk C. Lifestyle interventions for patients with and at risk for type 2 diabetes: a systematic review and meta-analysis. Ann Intern Med 2013;159:543–551
Yardley JE, Hay J, Abou-Setta AM, Marks SD, McGavock J. A systematic review and meta-analysis of exercise interventions in adults with type 1 diabetes. Diabetes Res Clin Pract 2014;106:393–400
American Diabetes Association. Foundations of care and comprehensive medical evaluation. Sec. 6. In Standards of Medical Care in Diabetes—2016. Diabetes Care 2016;39(Suppl. 1):S23–S35
Snowling NJ, Hopkins WG. Effects of different modes of exercise training on glucose control and risk factors for complications in type 2 diabetic patients: a meta-analysis. Diabetes Care 2006;29:2518–2527
Jelleyman C, Yates T, O’Donovan G, et al. The effects of high-intensity interval training on glucose regulation and insulin resistance: a meta-analysis. Obes Rev 2015;16:942–961
Little JP, Gillen JB, Percival ME, et al. Low-volume high-intensity interval training reduces hyperglycemia and increases muscle mitochondrial capacity in patients with type 2 diabetes. J Appl Physiol (1985) 2011;111:1554–1560
Dubé MC, Lavoie C, Weisnagel SJ . Glucose or intermittent high-intensity exercise in glargine/glulisine users with T1DM. Med Sci Sports Exerc 2013;45:3–7
Tonoli C, Heyman E, Roelands B, et al . Effects of different types of acute and chronic (training) exercise on glycaemic control in type 1 diabetes mellitus: a meta-analysis. Sports Med 2012;42:1059–1080
Nishitani M, Shimada K, Sunayama S, et al. Impact of diabetes on muscle mass, muscle strength, and exercise tolerance in patients after coronary artery bypass grafting. J Cardiol 2011;58:173–180
Garber CE, Blissmer B, Deschenes MR, et al.; American College of Sports Medicine. American College of Sports Medicine position stand. Quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotor fitness in apparently healthy adults: guidance for prescribing exercise. Med Sci Sports Exerc 2011;43:1334–1359
Sluik D, Buijsse B, Muckelbauer R, et al. Physical activity and mortality in individuals with diabetes mellitus: a prospective study and meta-analysis. Arch Intern Med 2012;172:1285–1295
Chimen M, Kennedy A, Nirantharakumar K, Pang TT, Andrews R, Narendran P. What are the health benefits of physical activity in type 1 diabetes mellitus? A literature review. Diabetologia 2012;55:542–551
Snowling NJ, Hopkins WG. Effects of different modes of exercise training on glucose control and risk factors for complications in type 2 diabetic patients: a meta-analysis. Diabetes Care 2006;29:2518–2527
Jelleyman C, Yates T, O’Donovan G, et al. The effects of high-intensity interval training on glucose regulation and insulin resistance: a meta-analysis. Obes Rev 2015;16:942–961
Little JP, Gillen JB, Percival ME, et al. Low-volume high-intensity interval training reduces hyperglycemia and increases muscle mitochondrial capacity in patients with type 2 diabetes. J Appl Physiol (1985) 2011;111:1554–1560
Dubé MC, Lavoie C, Weisnagel SJ. Glucose or intermittent high-intensity exercise in glargine/glulisine users with T1DM. Med Sci Sports Exerc 2013;45:3–7
Tonoli C, Heyman E, Roelands B, et al. Effects of different types of acute and chronic (training) exercise on glycaemic control in type 1 diabetes mellitus: a meta-analysis. Sports Med 2012;42:1059–1080
Nishitani M, Shimada K, Sunayama S, et al. Impact of diabetes on muscle mass, muscle strength, and exercise tolerance in patients after coronary artery bypass grafting. J Cardiol 2011;58:173–180
Anton SD, Karabetian C, Naugle K, Buford TW. Obesity and diabetes as accelerators of functional decline: can lifestyle interventions maintain functional status in high risk older adults? Exp Gerontol 2013;48:888–897
Yardley JE, Kenny GP, Perkins BA, et al. Resistance versus aerobic exercise: acute effects on glycemia in type 1 diabetes. Diabetes Care 2013;36:537–542
Yardley JE, Kenny GP, Perkins BA, et al. Effects of performing resistance exercise before versus after aerobic exercise on glycemia in type 1 diabetes. Diabetes Care 2012;35:669–675
Gordon BA, Benson AC, Bird SR, Fraser SF. Resistance training improves metabolic health in type 2 diabetes: a systematic review. Diabetes Res Clin Pract 2009;83:157–175
Abate M, Schiavone C, Pelotti P, Salini V. Limited joint mobility in diabetes and ageing: recent advances in pathogenesis and therapy. Int J Immunopathol Pharmacol 2010;23:997–1003
Gillespie LD, Robertson MC, Gillespie WJ, et al. Interventions for preventing falls in older people living in the community. Cochrane Database Syst Rev 2012;9:CD007146
Innes KE, Selfe TK. Yoga for adults with type 2 diabetes: a systematic review of controlled trials. J Diabetes Res 2016;2016:6979370
THORDIS BERGER
CMO - Chief Medical Officer - Portugal

Gostou deste artigo? Deixe-nos o seu comentário.

Partilhe com os seus amigos!



Categoria Tags