Testemunho: Sarah e Filipe - Kilimanjaro Julho 2017

Obrigado à Sarah e ao Filipe pelo excelente testemunho da sua fantástica aventura!

No passado dia 1 de Julho iniciamos a nossa subida ao teto de África. Fomos levados à entrada do parque para fazer a nossa inscrição e depois seguimos numa viagem de aproximadamente 3 horas de carro até à entrada escolhida por nós (Nalemuru gate). Escolhemos subir o Kilimanjaro pela rota Rongai. Esta é a única rota que sobe pela zona norte da montanha e que desce depois pela rota mais popular Manrangu. Isto permitiu-nos conhecer a paisagem da montanha dos dois lados.


A subida começou já depois da hora de almoço. A primeira etapa de subida começa em floresta onde ainda se encontram pequenas barracas onde vivem famílias que vivem da agricultura naquele local. Fizemos perto de 8 Km em 2h40 desde a Nalemuru gate a 2020m de altitude até ao Simba Camp com 2625m de altitude onde ficámos a primeira noite. O dia dois começa cedo pois espera-nos uma distância maior e com uma maior inclinação. A paragem final de hoje será no Kikileva Camp a 3630m de altitude a 10km de distância. A subida durou aproximadamente 6 horas sem contar com a paragem de almoço no Second Cave Camp a meio caminho. É interessante ver a diferença na paisagem à medida que se avança. A floresta desaparece logo no final do primeiro dia e a vegetação diminui em quantidade e tamanho à medida que subimos.


Kilimanjaro2

Até aqui as subidas, apesar da elevada inclinação, foram feitas com alguma facilidade sem qualquer ressentimento ou fadiga muscular. No entanto, deste ponto para cima comecei a sentir dificuldade na respiração e aumento considerável no débito cardíaco devido ao aumento de altitude e diminuição de oxigénio disponível. No dia 3, acordamos com uma paisagem lindíssima. O tempo tem estado a nosso favor sem chuva nem ventos fortes e as paisagens são lindíssimas. Hoje acordamos em cima das nuvens com uma espetacular vista para o Kilimanjaro que nos espera. Seguimos de manhã em direção do Mawenzi Tarn Camp a 4310m de altitude. Uma caminhada de 5km que termina a tempo de almoço. Aproveitando a tarde e de maneira a fazermos uma boa aclimatação à altitude, subimos aos 4510m numa caminhada curta de aproximadamente 2km e voltamos para o campo.


Aproxima-se o derradeiro dia. Hoje dia 4, seguimos 9km durante aproximadamente 5 horas até ao Kibo Camp a 4720m de altitude onde almoçamos e de seguida descansamos pois é às 24h que começamos o ataque ao pico. Nesta caminhada já é raro ver vegetação e o vento frio já passa mais forte. A última parte da caminhada já é feita a uma passo muito lento devido à minha dificuldade de respirar.


São 23h do dia 4 e levantamo-nos para tomarmos o pequeno-almoço. Está escuro e utilizamos as nossas lanternas para vermos o caminho. Ao início da subida olhando no escuro em direção ao Kilimanjaro, já vemos fileiras de luzinhas a subir a montanha. Bem agasalhados para suportar as temperaturas negativas começamos a subir em direção ao pico Uhuro peak a 5895m de altitude a sensivelmente 6km de distância. O início da subida é feito em pico mais arenoso, subimos aos zigue-zagues pela encosta durante a noite, depois de várias horas a inclinação aumenta ainda mais e somos obrigados a subir várias rochas até chegarmos ao Gilman’s point 5685m. Este é o primeiro ponto a alcançar junto do cume. Seguimos para o Stella point a 5685m e por fim depois de muito esforço alcançamos o Uhuru peak perto das 16h.


Uma longa subida com muita dificuldade de respiração mas que mostrou frutos do nosso treino. A minha dificuldade em relação à altitude não poderia ter sido treinada nem prevista e é a maior razão para a falha na subida. Mas se não fosse a nossa preparação para resistência muscular e rápida recuperação não teria sido possível termos aguentado a minha passada mesmo que lenta durante 20 horas seguidas. Do nosso grupo que subiu apenas eu sofri tanto com a altitude mas o Filipe apesar de conseguir ter feito a subida em muito menos tempo acompanhou-me durante estas 20 horas. Não teria sido possível atingir este nosso objetivo sem a ajuda do Holmes Place. O trabalho com a nossa Personal Trainer Ana Campos que soube trabalhar especificamente para o nosso objetivo. Preparou-nos para aumentar força e resistência muscular não só das pernas mas também costas. Não se esqueceu do trabalho de costa e core que nos facilitou no transporte das nossas mochilas. E todos os exercícios focados para uma rápida recuperação que foi essencial para nos aguentarmos sob esforço durante todos os dias.


testemunho Kilimanjaro Julho 2017

Muito Obrigado!

Filipe e Sarah

Gostou deste testemunho? Deixe-nos o seu comentário.

Partilhe com os seus amigos!

Categoria Tags